segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Sobreviver é um processo


A gente vive num mundo cheio de referências sólidas. Nos apoiamos na firmeza da cama e do vaso sanitário. E respeitamos códigos rígidos.

Os relógios estão mais ou menos sincronizados para registrar nosso atraso. Os faróis de trânsito são implacáveis no seu amarelo-vermelho-verde.

E as pessoas de nosso dia-a-dia também são rígidas e formais. É o guarda de trânsito que tem orgasmo cada vez que multa alguém e que atende com um ar broxante cada vez que tem que orientar um cidadão. É o caixa do banco e o médico que nem mesmo nos olham nos olhos. Implacáveis nas suas funções.

De tanto interagir com gente coisificada dentro de um mundo cheio de rigidez é um alívio quando ainda nos captamos vivos e representantes aqui na Terra dos grandes potenciais criativos da alma humana.

Conseguimos exercitar nosso lado vivo quando damos mais atenção à nossa intuição e talvez venhamos a descobrir que sobreviver é um processo permanente.

Que cada dia, cada decisão, cada relacionamento com as pessoas e o mundo ao nosso redor são apenas flashes de nosso processo líquido de sobrevivência.

O mundo e as pessoas podem até ter a pretensão de serem rigidamente sólidos. Mas nós somos almas líquidas. Tão sutis que escolhemos muitas vezes a leveza poética de um beijo molhado em vez de um palavrão cheio de dentes.

Que nos agarramos com firmeza mesmo é em nossa fé em nós mesmos, na nossa determinação de não desistir nunca diante das tolas dificuldades cotidianas.

Somos almas líquidas e poetas ambulantes. E amplos e irrestritos, ocupamos várias personalidades ao mesmo tempo. Somos pais e mães. E filhos e avós. Somos transcendentes. Somos o antes e o depois de nossa própria época.

Sabemos que sobreviver é avançar além da aparência besta das coisas sólidas e dos códigos rígidos. É arrancar do mundo ao nosso redor, com a força de nossa intuição, as necessidades ainda nem sonhadas.

Sobreviver é um processo permanente de chegar antes às respostas. Porque só quem aprendeu a valorizar a sobrevivência enquanto humanos sabe que perto das respostas estão as necessidades ainda transparentes, que ao serem bem cuidadas, podem se transformar em fonte de sobrevivência para cada um de nós.


Esse texto é de autoria do jornalista Marco Roza e foi publicado em 2006 no site da revista Isto é Dinheiro. Guardei e agora posto aqui, onde vou seguir colocando alguns pensamentos, de vez em quando. Abraços!

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom texto, brother...mas quem dera todos pudessem ser tão ´´transcendentes´´ assim como ele diz...pois existem as gentes...e as pessoas. Das pessoas há aqueles como o autor, que buscam passar adiante essa luz que conseguiram...mas há muitos, que não têm a mínima noção,seja por falta de instrução ou vontade,e outros tantos piores que se iludem com falsas grandezas e valores, mas estão estragados por dentro...

...Sobrevier é um processo, e acho que almas líqüidas é algo até bem aproximado daquilo que somos...mas é preciso querer viver...sentir o ritmo da correnteza, p'ra poder se entregar ao fluxo...

thintosecco disse...

Sim, há o guarda de trânsito e o caixa do banco, como ele cita. Mas a nossa luta maior é essa, de nos mantermos "líquidos", aí está a transcendência. Não estagnar. O galho seco é aquele que quebra, meu velho. Um grande abraço, amigão!

Related Posts with Thumbnails