sábado, 14 de novembro de 2009

A AVENTURA NO RÁDIO parte 3 (final)

Thintosecco




Era uma vez, nos anos 80, a história de dois garotos que pensaram em montar uma rádio pirata. É também um pedaço da história de um dos programas mais interessantes que houveram no rádio e do qual nós tivemos honra de participar, ao menos por um dia.



Enfim, chegara o dia e a hora de irmos ao ar. O programa que o Tioguara e o Gordo apresentaram foi dedicado ao tecladista Rick Wakeman - conhecido pelo trabalho no grupo Yes, mas com uma carreira solo também brilhante. A escolha do Rick foi não apenas por uma questão de gosto, mas também pragmática: a Kitty, irmã mais velha do meu parceiro, possuía metade dos álbuns do nosso artista. Quantos aos outros, compramos em sebos - na Av. Borges de Medeiros ou na Marechal Floriano - onde na época eram mais mais fáceis de achar - lembrando que estávamos no tempo dos LPs e nem sonhávamos com o (bendito) download.




Subimos o morro Santo Antônio até o prédio da Band (antiga Difusora), onde funcionavam, além da TV, as rádios Band AM e FM. E a Ipanema FM. Naquele tempo - não sei se ainda é assim - os estúdios eram dividios em dois espaços principais: a sala de locução e a sala de operação, separadas por um janelão de vidro, tipo aquário. Fomos recebidos pela Kátia Suman, que seria, por aquela noite, nossa "chefe". E recebemos os últimos toques: "Podem falar devagar. Um minuto no rádio é bastante tempo, o suficiente." "Enquanto um de vocês fica aqui, no microfone, é bom o outro ficar lá com o operador, ajudando a achar as músicas nos discos." "Vou ficar com vocês aqui no primeiro bloco, depois tenho coisas para fazer. Vou deixar vocês com o Genésio (o operador) e volto mais tarde." Tudo muito simples, na teoria.


Passando à prática... Quando do operador deu o sinal de positivo do lado de lá do aquário e acenderam os luminosos "NO AR" (eram dois, um acima do aquário e outro acima da porta), digo para vocês: que coisa mais difícil falar devagar! A vontade era de dizer tudo num só segundo e terminar o assunto para ontem!

De qualquer jeito, mesmo que "meio no susto", estávamos no ar. E colocando o nosso som, do nosso gosto e do nosso jeito, independemente dos ditames da moda da época! Começamos logo com Viagem ao Centro da Terra, sendo que um dos trechos do álbum foi usado como cortina para os oito blocos do programa. No caso, o trecho da luta dos "dinossauros", que consta no vídeo a seguir:






A discografia do Wakeman é rica em adaptações de obras de ficção, lendas ou ainda episódios históricos. Algumas vezes criou suas próprias viagens, como no álbum “No Earthly Connection” (1976). Adaptou musicalmente clássicos da ficção científica, como “Viagem ao Centro da Terra” (1974) e "1984" (em 1981). Seu período de maior sucesso foi entre 1975/76, época em que, após o “Viagem...” lançou o também clássico “Mitos e Lendas do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda” (1975). Antes disso, em seu primeiro álbum, a inspiração veio da história inglesa, com “As Seis Esposas de Henrique VIII” (1971). Outro disco deste tipo, também interessante, foi o “Criminal Record” (1977).



Fora isso (como se fosse pouco...), o cara também compôs trilhas de filmes e documentários. Realizou alguns trabalhos como músico de estúdio (usando pseudônimos), entrou para o Yes, depois saiu, então voltou... num vai-e-vem que segue até hoje! Mas essas são histórias muito longas para esse post...






Uma das coisas interessantes que aconteceram naquela noite foi descobrirmos que haviam muito mais pessoas que curtiam o som progressivo do Wakeman – e que estavam ligadas no programa – do que imaginávamos. Soubemos disso pelo telefone, que tocou várias vezes. E foi muito legal ter recebido alguns elogios. Só não deu para atender aos pedidos de músicas, porque a programação já estava acertada. Não esqueço até hoje do cara que queria ouvir a faixa "Júlia", do disco 1984.





Atendíamos o telefone na sala do operador. E confesso que gostei mais de estar ali do que em frente ao microfone. Talvez fosse o lado nerd falando mais alto. Ali havia um território a explorar: equipamentos principalmente. Não sei dizer pra vocês qual era a marca dos dois pratos que tocavam os discos de vinil, mas com certeza eram muito bons. Uma coisa que achei curiosa: os cartuchos que continham as gravações dos comerciais. Na aparência até tinham um pouco a ver com os cartuchos de vídeo-game, porém maiores; entretanto continham fitas mais largas que as cassete e que, aparentemente, utilizavam um rolo só. Hoje, devem ser peças de museu.


Notei num canto uma fita de rolo - daqueles modelos bem antigos - que rodava bem devagar, mas nunca parava. O Genésio então explicou que aquela era a fita do DENTEL, que gravava tudo, o tempo todo, até os comerciais. Era o regime militar que ainda se fazia presente, muito embora já em seus últimos momentos.





Foi uma experiência incrível. No final do programa, juntamos nossos discos, nos despedimos e voltamos para casa. Nada mudou em nossas vidas por causa daquela aventura no rádio. Mas ficou a satisfação de ter lutado por um sonho - o de colocar no ar um som diferente e de mais qualidade - e ter realizado alguma coisa, mesmo que um pouquinho só, por duas horas. E sabem de uma coisa? Encontrar de tempos em tempos alguém que ouviu aquele programa é algo muito especial.

Especial também foi, como já disse outras vezes, o surgimento da Ipanema FM nos anos 80 em Porto Alegre. Também o trabalho da Kátia Suman, que criou e manteve o programa Clube do Ouvinte.

Agradeço muito ao amigo Henrique a oportunidade de ter participado daquela empreitada. E também por ter me apresentado à música do Wakeman e de outros grandes artistas. Agradecimentos também a todos que ajudaram de uma ou outra maneira, em especial à Maiara.

Quanto a esta postagem, é importante reconhecer o trabalho do ROLT, que realiza as obras de arte que são os clipes que aproveitei nessa postagem e os disponibiliza no You Tube. Temos agora músicas do Rick Wakeman não apenas para ouvir, mas também para ver! Muito legal. E encerro esta postagem com a faixa que abre o disco No Earthly Connection. Abraço!





Links:


Ipanema FM

Rick Wakeman

Canal do videomaker ROLT no You Tube


Postagens anteriores:

A Aventura no Rádio - parte 1

A Aventura no Rádio - parte 2

Outra Viagem ao Centro da Terra - parte 2 (atualizando)

2 comentários:

MrOX disse...

Uma bela lição !!

Do querer, poder e conseguir !!

Assim somos, pena que a vida é curta para projetar todos os nossos sonhos ...

Thintosecco disse...

Aceitei a sugestão de contar essa história aqui no blog. Se for útil para alguém, melhor!

Sei que o meu amigo MrOx também tem várias aventuras para contar. E outras que talvez não seja o caso de contar! Quem sabe uma hora tu não juntas com calma as idéias e as palavras e traz algumas dessas histórias pra cá? Uma daquelas sobre quatro rodas, quem sabe?

Abraço!

Related Posts with Thumbnails